Treino e reforço de competências em doentes renais crónicos em hemodiálise – O Programa “Acredita+ e Segue”: Resultados preliminares

Marta Freitas Olim, Luis Carrasco, Joana Pimenta, Filipa Silva, Susana Torres, Joana Dantas

Resumo


Objetivo: O presente estudo apresenta os resultados preliminares e descreve a estrutura de um programa de treino e reforço de competências assente numa metodologia de Serviço Social de grupo, realizado a partir das necessidades de doentes renais crónicos em tratamento de hemodiálise. O objetivo do programa é promover a integração da doença e do seu tratamento, de forma positiva, bem como a promoção de hábitos de vida saudáveis com impacte favorável no projeto de vida dos doentes, nomeadamente no estado atual da sua ocupação.

Participantes: Trinta pessoas participaram voluntariamente no programa (16 homens e 14 mulheres), com idades compreendidas entre os 26 anos e os 77 anos (M = 49,6; DP ± 14,88), sem qualquer tipo de ocupação.

Método: Foram realizadas quatro edições em diferentes zonas do país. Cada edição contemplou um grupo heterogéneo, de entre sete a nove doentes renais crónicos, a realizar tratamento de hemodiálise em clínicas em Portugal. Cada edição contemplou seis sessões bissemanais. Nestas foram avaliados o nível de participação, a permanência no programa, e a eficácia na alteração da situação ocupacional pós-programa, tendo-se monitorizado a adesão à resposta ocupacional durante um ano.

Resultados: No final desta fase preliminar do programa, 50% dos participantes integraram resposta ocupacional. Constatou-se uma adesão total dos participantes às sessões de forma ativa e continuada, não se registando desistências. A formação é a resposta ocupacional com maior número de adesões, cerca de 27%, em detrimento das outras alternativas, como o emprego, voluntariado ou atividade física formalizada.

Conclusão: Este programa enfatiza a ocupação como fator primordial na reabilitação clínica e inserção social desta população na sociedade, com benefícios psicossociais claros para os participantes. Pretendemos com este programa contribuir com uma metodologia de intervenção inovadora e com impacte a utilizar nesta população, introduzindo novos desafios à prática do Serviço Social.




DOI: http://dx.doi.org/10.7342/ismt.rpics.2017.3.2.56

Palavras-chave


Serviço Social de Grupos; Doença Renal Crónica; Hemodiálise; Ocupação

Texto Completo:

Download PDF

Referências


Almeida, J. (1985). A adaptação do Insuficiente renal crónico à Hemodiálise: estudo da influência da personalidade e das matrizes familiares, sociocultural e terapêutica. Tese de Doutoramento, Lisboa: Faculdade de Ciências de Lisboa.

Cohen, S. D., Sharma, T., Acquaviva, K., Peterson, R. A., Patel, S. S. e Kimmel, P. L. (2007). Social support and chronic kidney disease: An update. Advances in Chronic Kidney Disease, 14(4), 335–344. doi:10.1053/j.ackd.2007.04.007

Curtin, B. R., Oberley, E., Sacksteder, P. e Friedman, A. (1996). Differences between employed and nonemployed dialysis patients. American Journal of Kidney Disease, 27(4), 533-540. doi:10.1016/S0272-6386(96)90164-X

Cukor, D., Coplan, J., Brown, C., Peterson, R. A. e Kimmel, P. L. (2008). Course of depression and anxiety diagnosis in patients treated with hemodialysis: A 16-month follow-up. Clinical Journal America of Society Nephrology, 3(6), 1752–1758. doi:10.2215/CJN.01120308

Heiwe, S., Clyne, N. e Dahlgren, M. A. (2003). Living with chronic renal failure: patients experiences of their physical and functional capacity. Physiotherapy Research International, 8(4), 167-177. doi:10.1002/pri.287

Johnson, B. e Corte-Real, F. (2000). O som do silêncio. Uma reflexão a partir do serviço social da saúde em hospital. Intervenção Social, 21, 33-44.

Karasek, R. e Theorell, T. (1990). Stress, productivity and reconstruction of working life. Nova Iorque: Basic Books

Lume, J. (1986). Comportamento humano em situação artificial de vida: Um trabalho de investigação em Hemodiálise renal. Dissertação de Doutoramento, Porto, Faculdade de Medicina do Porto.

Macário F. (2016). Relatório gabinete de registo da SPN – Tratamento substitutivo renal da doença renal crónica estadio V em Portugal. Recuperado de http://www.bbg01.com/cdn/clientes/spnefro/noticias/130/REGISTO_DRCV2016.pdf

McCool, M., Johnstone, S., Sledge, R., Witten, B., Contillo, M., Aebel-Groesch, K. e Hafner, J. (2011). The promise of symptom-targeted intervention to manage depression in dialysis patients. Nephrology News & Issues, 25(6), 32-33, 35-37.

Muehrer, R., Schatell, D., Witten, B. Gangnon, R., Becker, B. e Hofmann, M. (2011). Factors affecting employment at initiation of dialysis. Clinical Journal of American Society of Nephrology, 6(3), 489-495. doi:10.2215/CJN.02550310.

Organização Mundial de Saúde (2016). Chronic diseases and their common risk factors. Recuperado de http://www.who.int/chp/chronic_disease_report/media/Factsheet1.pdf

Olim, M. (2012). O desafio do modelo sistémico na doença renal crónica em contexto hospitalar. Revista Mosaico, 51(1), 5-9.

Olim, M. (2013). O Impacto da doença renal cronica nas dinâmicas familiares do paciente. Dissertação de Mestrado, Lisboa, Universidade Católica Portuguesa.

Rolland, J. e Williams J. K. (2005). Toward a biopsychosocial model for 21st-century genetics. Family Process, 44(1), 3-24. doi:10.1111/j.1545-5300.2005.00039.x

Untas, A., Thumma, J., Rascle, N., Rayner, H., Mapes, D., Lopes, A., … e Combe, C. (2011). The associations of social support and other psychosocial factors with mortality and quality of life in the dialysis outcomes and practice patterns study. Clinical Journal of the American Society of Nephrology, 6(1), 142-152. doi:10.2215/CJN.02340310.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2017 Marta Seabra Moura de Freitas Olim

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.