Velhice(s) e participação em estruturas residenciais para idosos percecionadas por pessoas idosas e assistentes sociais: um estudo qualitativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31211/rpics.2020.6.1.172

Palavras-chave:

Heterogeneidade da velhice, Participação, Estruturas Residenciais para Idosos, Idosos, Estudo qualitativo

Resumo

Objetivo: Esta investigação tem como objetivo trazer uma reflexão sobre as várias expressões da(s) velhice(s), associadas à participação ativa das pessoas idosas em Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI) e no seu projeto de vida. Método: A amostra envolveu 12 pessoas idosas e cinco assistentes sociais que residiam e exerciam a prática profissional em ERPI, respetivamente. O protocolo foi composto por questionário sociodemográfico e entrevistas em profundidade (semiestruturada), prosseguindo uma abordagem qualitativa (análise de conteúdo). Resultados: A amostra de pessoas idosas constitui-se maioritariamente por “idosos muito idosos” (> 85 anos). A participação nos processos decisórios em ERPI tenderam a inclinar-se para a renúncia voluntária das pessoas idosas em contribuir para as decisões alocadas às dinâmicas/estratégias institucionais. Na posição adotada pelas ERPI, ainda que estas assumam um padrão diretivo associado ao cuidado, começam a surgir disposições que apresentam um carácter mais inovador (e.g., comissões de idosos, biblioterapia, tertúlias), convergindo com as abordagens atuais do envelhecimento ativo, em que as pessoas idosas são reconhecidas como um coletivo heterogéneo. Este facto encontra paralelo com a expressão da satisfação dos seniores, advinda da oportunidade que lhes é dada de exercerem quotidianamente a sua cidadania. Conclusões: O cuidado institucional tende a privilegiar uma abordagem holística no entendimento da(s) velhice(s). Estas alterações, ainda que assumam um ritmo lento e monótono, fazem emergir abordagens operativas capazes de privilegiar o capital de conhecimento e sabedoria das pessoas idosas implicando-as ativamente nos processos decisórios em contextos residenciais coletivos, associadas aos movimentos contemporâneos do envelhecimento ativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Ricardo Crispim, Santa Casa da Misericórdia de Leiria, Portugal

Assistente Social, Investigador

Referências

Alaphilippe, D., & Bailly, N. (2014). Psicologia do adulto idoso. Edições Piaget.

Almeida, H. (2017). Participação como eixo estratégico renovado na intervenção social. In C. Albuquerque & A. C. B. Arcoverde (Coord.), Serviço social contemporâneo. Reflexividade e estratégia (pp. 47–70). PACTOR – Edições de Ciências Sociais, Forenses e da Educação.

Azeredo, Z. (2016). Cultura, cidadania e envelhecimento. In Z. Azeredo (Coord.), Envelhecimento, cultura e cidadania (pp. 67–73). Edições Piaget.

Baltes, P. B., & Smith, J. (2003). New frontiers in the future of aging: From successful aging of the young old to the dilemmas of the fourth age. Gerontology, 49, 123–135. https://doi.org/10.1159/000067946

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Edições 70.

Birren, J. E. (1995). New models of aging: Comment on need and creative efforts. Canadian Journal on Aging, 14(1), 1–3. https://doi.org/10.1017/S0714980800010424

Brandão, D., Ribeiro, Ó., & Paúl, C. (2017). Functional, sensorial, mobility and communication difficulties in the Portuguese oldest old (80+). Acta Médica Portuguesa, 30(6), 463–471. https://doi.org/10.20344/amp.8060

Cabral, M. (2017). O envelhecimento sociodemográfico e os seus riscos. In P. M. Ferreira, M. V. Cabral, & A. Moreira (Org.), Envelhecimento na sociedade portuguesa. Pensões, família e cuidados (pp. 99–109). Imprensa de Ciências sociais.

Crispim, R. (2020). Ser-se pessoa (in)ativa em estruturas residenciais para idosos. O Serviço Social a favor da inclusão e ativação das pessoas idosas nas dinâmicas intrainstitucionais e no seu projecto de vida [Tese de mestrado não publicada]. Universidade de Coimbra.

Crispim, R. M. S., & Almeida, H. N. (2019). Mediação social em gerontologia. Questionamentos atuais do serviço social em estruturas residenciais para pessoas idosas. In A. Neves, T. Riboira, I. Machado, & M. S. Almeida (Coords.), III Congresso Ibero-Americano de intervenção social – Direitos Humanos e mediação (pp. 483–496). Lema d’Origem – Editora.

Daniel, F., Simões, T., & Monteiro, R. (2012). Representações sociais do «envelhecer no masculino» e do «envelhecer no feminino». Ex Aequo, 26, 13–26. https://bit.ly/2WJarNe

Dehi, M., & Mohammadi, F. (2020). Social participation of older adults: A concept analysis. International Journal of Community Based Nursing and Midwifery, 8(1), 55–72. https://doi.org/10.30476/IJCBNM.2019.82222.1055

Dionigi, R. A. (2015). Stereotypes of aging: Their effects on the health of older adults. Journal of Geriatrics, 2015, Artigo 954027. https://doi.org/10.1155/2015/954027

Eurostat. (2019). Guia das estatísticas europeias. https://ec.europa.eu/info/statistics/guide-european-statistics_pt

Fagundes, K., Esteves, M., Ribeiro, J., Siepierski, C., Silva, J., & Mendes, M. (2017). Instituições de longa permanência como alternativa no acolhimento das pessoas idosas. Revista Salud Pública, 19(2), 210–214. https://doi.org/10.15446/rsap.v19n2.41541

Fernandes, J. M. N. (2011). O desafio do envelhecimento demográfico. Revista do Instituto Politécnico de Castelo Branco, 1(2), 5–11. https://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/3074/1/R_IPCB2_1.pdf

Fernandes, M. G. M. (2009). Papéis sociais de gênero na velhice: o olhar de si e do outro. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(5), 705-710. https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000500009

Fonseca, A. (2006). O envelhecimento. Uma abordagem psicológica. Universidade Católica Editora.

Gabinete de Estratégia e Planeamento. (2018). Carta Social – Rede de serviços e equipamentos – Relatório 2018. http://www.cartasocial.pt/pdf/csocial2018.pdf

Gustavsson, M., Liedberg, G., & Ranada, Å. (2015). Everyday doings in a nursing home – described by residents and staff. Scandinavian Journal of Occupational Therapy, 22(6), 435–441. https://doi.org/10.3109/11038128.2015.1044907

Hees, S., Horstman, K., Jansen, M., & Ruwaard, D. (2015). Conflicting notions of citizenship in old age: An analysis of an activation practice. Journal of Aging Studies, 35, 178–189. https://doi.org/10.1016/j.jaging.2015.09.001

Herazo-Beltrán Y., Quintero-Cruz M., Pinillos-Patiño Y., García-Puello F., Núñez-Bravo, N., & Suarez-Palacio, D. (2017). Calidad de vida, funcionalidad y condición física en adultos mayores institucionalizados y no institucionalizados. Revista Latinoamericana de Hipertension, 12(5), 174–81. http://www.shorturl.at/nKLU1

Instituto Nacional de Estatística. (2019). Tábuas de mortalidade em Portugal. https://www.shorturl.at/pFPRZ

Instituto Nacional de Estatística. (2012). Censos 2011. Resultados definitivos – Portugal. https://www.shorturl.at/kuGN3

Júnior, F. B. A., Machado, I. T. J., Santos-Orlandi, A. A., Pergola-Marconato, A. M., Pavarini, S. C. I., & Zazzetta, M. S. (2017). Fragilidade, perfil e cognição de idosos residentes em área de alta vulnerabilidade social. Ciência & Saúde Coletiva, 24(8), 3047–3056. https://doi.org/10.1590/1413-81232018248.26412017

Laslett, P. (1994). The third age, the fourth age and the future. Ageing and Society, 14(3), 436–447. https://doi.org/10.1017/S0144686X00001677

Lima, M. (2010). Envelhecimento(s). Imprensa da Universidade de Coimbra.

Luz, H. (2017, setembro 5-9). Problemas sociais complexos – wicked problems – e intermediação das organizações de economia social: Estratégias adaptativas no campo do envelhecimento ativo (EA) [Apresentação de artigo]. XVIII Congreso Ahila en los márgenes de la historia tradicional. Nuevas miradas de América Latina desde el siglo XXI, Valencia, Espanha.

Marchand, I. (2017). Stories of contemporary aging: An analysis of 'lived' citizenship in later life. Journal of Gerontological Social Work, 61(5), 472–491. https://doi.org/10.1080/01634372.2017.1420001

Marier, P., & van Pevenage, I. (2017). Three competing interpretations of policy problems: tame and wicked problems through the lenses of population aging. Policy and Society, 36(3), 430–445. https://doi.org/10.1080/14494035.2017.1361636

Medeiros, M. M. D. de, Carletti, T. M., Magno, M. B., Maia, L. C., Cavalcanti, Y. W., & Rodrigues-Garcia, R. C. M. (2020). Does the institutionalization influence elderly's quality of life? A systematic review and meta-analysis. BMC Geriatrics 20. Artigo 44. https://doi.org/10.1186/s12877-020-1452-0

Mendes, F. R., Zangão, O. B., & Mestre, T. S. (2018). Representações sociais da violência sobre idosos: Idadismo, estereótipos e discriminação. Revista Ibero-Americana de Saúde e Envelhecimento, 3(3), 1107–1127. https://doi.org/10.24902/r.riase.2017.3(3).1104

Mendes, M. (2017). Envelhecimento e fecundidade: uma antevisão do nosso futuro demográfico. In P. M. Ferreira, M. V. Cabral, & A. Moreira (Org.), Envelhecimento na sociedade portuguesa. Pensões, família e cuidados (pp. 111–140). Imprensa de Ciências sociais.

Miguel, I. (2016). Mais idade, menos participação? Lógicas de “resgate” da cidadania na população idosa. In C. Albuquerque & H. A. Luz (Coord.), Políticas sociais em tempos de crise. Perspetivas, tendências e questões críticas (pp. 193–208). Pactor.

Nações Unidas. (2002). Informe de la segunda asamblea mundial sobre el envejecimiento. Madrid. http://www.monitoringris.org/documents/norm_glob/mipaa_spanish.pdf

Nogueira, M., Lima, A., Trigueiro, J., Torquato, I. Henriques, M., & Alves, M. (2016). Comparing the quality of life of institutionalized and non-institutionalized older adults. Uerj Nursing Journal, 24(5), 1–6. https://doi.org/10.12957/reuerj.2016.28185

Pinto, C. (2013). Uma prática de empowerment com adultos idosos. In M. I. Carvalho (Coord.), Serviço social no envelhecimento (pp. 49–65). PACTOR – Edições de Ciências Sociais, Forenses e da Educação.

Pordata. (2020a). População residente: total e por grandes grupos etários. Quantos são os jovens, os idosos ou as pessoas em idade ativa? https://www.shorturl.at/lnOQ5

Pordata. (2020b). População residente com 65 e mais anos do sexo masculino, estimativas a 31 de Dezembro: total e por grupo etário. Quantos homens idosos existem no final do ano, por faixa etária? https://www.shorturl.at/zEU06

Pordata. (2020c). População residente com 65 e mais anos do sexo feminino, estimativas a 31 de Dezembro: total e por grupo etário. Quantas mulheres idosas existem no final do ano, por faixa etária? https://www.shorturl.at/npqv9

Pordata. (2020d). População residente com 15 a 64 anos e 65 e mais anos: por nível de escolaridade completo mais elevado. Quantas pessoas, em idade activa ou idosa, há sem instrução ou com o ensino básico, secundário ou superior? https://www.shorturl.at/dtFHP

Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal. (2017). Estratégia nacional para o envelhecimento ativo e saudável 2017-2025. https://bit.ly/2WGTgLV

Reed, J., Cook, G., Sullivan, A., & Burridge, C. (2003). Making a move: Care-home residents' experiences of relocation. Ageing and Society, 23(2), 225–241. https://doi.org/10.1017/S0144686X02001101

Rosa, M. J. V. (2020). Um tempo sem idades. Ensaio sobre o envelhecimento da população. Tinta da China.

Rosa, M. (2018). Envelhecimento demográfico e desenvolvimento social. In M. C. P. Neves & A. B. Felix (Coord.), Ética aplicada. Protecção social (pp. 299–319). Edições 70 – Edições Almedina.

Simões, A. L., & Sapeta, P. (2017). Construção social do envelhecimento individual. Revista Kairós - Gerontologia, 20(2), 9–26. https://doi.org/10.23925/2176-901X.2017v20i2p09-26

Smith, J. (2002). The fourth age: A period of psychological mortality? In Max-Planck-Gesellschaft Zur Förderung der Wissenschaften & Ernst Schering Research Foundation (Eds.), Biomolecular aspects of aging: The social and ethical implications, (pp. 75–88). Max Planck Forum.

Sousa, J. G., & Batista, M. M. (2015). Ócio e cultura na (re)construção identitária de pessoas idosas institucionalizadas. Revista Subjetividades, 15(2), 275–286. http://www.shorturl.at/FGLQW

Stephens, C., Breheny, M., & Mansvelt, J. (2015). Healthy ageing from the perspective of older people: A capability approach to resilience. Psychology & Health, 30(6). 715–731. https://doi.org/10.1080/08870446.2014.904862

Vala, J. (1990). A análise de conteúdo. In A. S. Silva & M. Pinto (Orgs.). Metodologia das ciências sociais (pp. 101-128). Edições Afrontamento.

Vieira, I. (2017). A participação. Um paradigma para a intervenção social. Universidade Católica Editora.

Publicado

2020-05-28

Como Citar

Crispim, R. (2020). Velhice(s) e participação em estruturas residenciais para idosos percecionadas por pessoas idosas e assistentes sociais: um estudo qualitativo. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 6(1), 81–96. https://doi.org/10.31211/rpics.2020.6.1.172

Edição

Secção

Artigo Original