Estudo preliminar de adaptação e validação do Inventário de Psicoterapia Positiva numa Amostra da População Portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31211/rpics.2020.6.2.185

Palavras-chave:

Adaptação, Inventário de Psicoterapia Positiva, Psicoterapia positiva, Validação

Resumo

Contexto e Objetivo: A psicoterapia positiva alicerça-se concetualmente no estudo científico de emoções positivas, traços individuais positivos e pontos fortes. O objetivo é ajudar as pessoas a aprenderem que podem crescer como resultado de suas experiências, mesmo que a experiência seja traumática. Trata-se de um método psicoterapêutico que se foca na construção de emoções positivas, forças e significado na vida dos indivíduos para diminuir e prevenir a psicopatologia e promover a felicidade. Como ferramenta de avaliação, o Inventário de Psicoterapia Positiva (IPP) oferece aos profissionais de saúde mental a oportunidade de ver os resultados do processo terapêutico. Assim, o objetivo do presente estudo é conhecer as qualidades psicométricas do IPP numa amostra da população portuguesa. Métodos: Trata-se de um estudo metodológico, de carácter exploratório e descritivo, que visa a tradução-retroversão e análise das propriedades psicométricas (fidelidade e validade) recorrendo à administração do IPP, da Escala de Ansiedade, Depressão e Stress de 21 itens e do Mental Health Continuum – Short Form. A amostra foi composta por 247 participantes entre os 18 e 69 anos. Resultados: A versão traduzida e adaptada da escala cumpriu os critérios de equivalência semântica e apresentou um nível elevado de consistência interna (α de Cronbach = 0,97), altos valores de correlação entre formas (r = 0,92), assim como uma correlação elevada do item com o total do teste. O inventário ficou composto por 25 itens e explicado por três fatores, cumprindo os critérios de validade convergente e divergente. Conclusões: O estudo preliminar do IPP apresentou boas qualidades psicométricas. Sugere-se o alargamento da amostra para sustentação dos resultados obtidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Marlene Ferreira, Universidade Fernando Pessoa

Psicóloga Clínica e da Saúde

Ana Pereira, Universidade Fernando Pessoa

Psicóloga Clínica e da Saúde

Ana Prior, Universidade Fernando Pessoa

Psicóloga Clínica e da Saúde

Carla Fonte, Universidade Fernando Pessoa

Professora auxiliar, Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e Psicoterapia

Referências

Asebedo, S., & Seay, M. C. (2014). Positive psychological attributes and retirement satisfaction. Journal of Financial Counseling and Planning, 25(2), 161–173. https://doi.org/10.2469/dig.v45.n6.1

Daniel, F., Gomes da Silva, A., & Ferreira, P. (2015). Contributo para a discussão da avaliação da fiabilidade de um instrumento de medição. Revista de Enfermagem Referência, 4(7), 129–137. https://doi.org/10.12707/RIV15003

Espinoza-Venegas, M., Sanhueza-Alvarado, O., Ramírez-Elizondo, N., & Sáez-Carrillo, K. (2015). Validação do construto e da confiabilidade de uma escala de inteligência emocional aplicada a estudantes de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(1), 139–147. https://doi.org/10.1590/0104-1169.3498.2535

Espirito-Santo, H., & Daniel, F. (2015). Calcular e apresentar tamanhos dos efeitos em trabalhos científicos: As limitações do p  0.05 na análise de diferenças de médias de dois grupos. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, 1(1), 3–16. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2015.1.1.14

Espirito-Santo, G. (2017). A validade dos instrumentos de avaliação. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, 3(1), 1–1. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2017.3.1.49

Espirito-Santo, G., & Daniel, F. (2017). Calcular e apresentar tamanhos dos efeitos em trabalhos científicos: guia para reportar a força das relações. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, 3(1), 53–64. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2017.3.1.48

Fonte, C., Silva, I., Vilhena, E., & Keyes, C. L. M. (2020). The Portuguese adaptation of the mental health continuum-short form adult population. Community Mental Health Journal, 56(2), 368–375. https://doi.org/10.1007/s10597-019-00484-8

Guney, S. (2011). The positive psychotherapy inventory (PPTI): Reliability and validity study in Turkish population. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 29, 81–86. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2011.11.209

Khanjani, M., Shahidi, Sh., FathAbadi, J., Mazaheri, M. A., & Shokri, O. (2014). The factor structure and psychometric properties of the Positive Psychotherapy Inventory (PPTI) in an Iranian sample. Iranian Journal of Applied Psychology, 7(5), 26–47. https://www.magiran.com/paper/1580927/?lang=en

Kun, A., Balogh, P., & Krasz, K. (2017). Development of the work-related well-being questionnaire based on seligman´s PERMA model. Periodicapolytechnica Social and Management Sciences, 25(1), 56–63. https://doi.org/10.3311/PPso.9326

Martins, C. (2011). Manual de análise de dados quantitativos com recurso ao IBM SPSS. Psiquilíbrios Edições.

Pais-Ribeiro, J. L., Honrado, A., & Leal, I. (2004). Contribuição para o estudo da adaptação portuguesa das escalas de ansiedade, depressão e stress (EADS) de 21 itens de Lovibond e Lovibond. Psicologia, Saúde & Doenças, 5(2), 229–239. https://bit.ly/3jzkBIi

Primi, R. (2012). Psicometria: Fundamentos matemáticos da teoria clássica dos testes. Avaliação Psicológica, 11(2), 297–307. https://bit.ly/34xQZGY

Rashid, T. (2015). Positive psychotherapy: A strength-based approach. The Journal of Positive Psychology, 10(1), 25–40. https://doi.org/10.1080/17439760.2014.920411

Rashid, T., & Anjum, A. (2008). Positive psychotherapy for young adults and children. Em J. R. Z. Abela & B. L. Hankin (Eds.), Handbook of depression in children and adolescents (pp. 250–287). Guilford Press.

Rashid, T., & Seligman, M. (2018). Positive psychotherapy: Workbook. Oxford University Press. https://doi.org/10.1093/med-psych/9780190920241.001.0001

Rashid, T., & Seligman, M. (2019). Psicoterapia positiva: Artmed Editora.

Ribeiro, J. (2010). Investigação e avaliação em psicologia e saúde (2ª ed.). Placebo Editora.

Seligman, M. E. P., Rashid, T., & Parks, A. C. (2006). Positive psychotherapy. American Psychologist, 61(8), 774–788. https://doi.org/10.1037/0003-066X.61.8.774

Sirgy, M. J., & Wu, J. (2009). The pleasant life, the engaged life, and the meaningful life: What about the balanced life? Journal of Happiness Studies, 10, 183–196. https://doi.org/10.1007/s10902-007-9074-1

Wammerl, M., Jaunig, J., Maierunteregger, T., & Streit, P. (2015). The development of German version of the Positive Psychotherapy Inventory Überschrift (PPTI) and the PERMA-Profiler [Paper presentation]. World Congress of International Positive Psychology Association, Orlando, FL, United States.

Publicado

2020-11-29

Como Citar

Ferreira, M., Pereira, A., Prior, A., & Fonte, C. (2020). Estudo preliminar de adaptação e validação do Inventário de Psicoterapia Positiva numa Amostra da População Portuguesa. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 6(2), 12–23. https://doi.org/10.31211/rpics.2020.6.2.185

Edição

Secção

Artigo Original